« Domestico | Gente... » | Auto-retrato » | Vagos versos » | A Faca que Matou José Augusto » | Stravinsky... » | Embolada » | Sim, vcs não podem perder A orgia universal no Mo... » | Verdade » | Triste... » | Mão »

A Voz



Me doma, toma
Vicia, inebria
Mistura de Morfina e Cocaína

Tua voz me enforca
Trucida o coração
E embalado no compasso
dos pulmões
Me perco na dança
sensual e erótica
Da tua língua dançando no palato....

Mulher, tato e paladar,
Lábios sussurrantes a sorrir
matreira de minhas mãos
Que se perdem em torno
de minhas virtudes

Sou pé e pó
Moléculas que dançam
Vibrando pela cordas
De tua garganta

Que voz poderosa! ;)
Lindo poema.

Bom, eu acho que vc merece, tá?

Bjuss

viva viva!!
viva o glorioso poeta matemático!!
como sempre escrevendo bem hein meu amigo...
muito pai d'égua o poema!!
abraços

mmmmm... va bene signori...
esses números fazem isso mesmo com a gente... :P
espero que tenha descansado um pouco!
beijos!!

Muito bonito.
PS. Claro que o porta é você meu lindo.

Beijos

Muito bonito!!!
PS. Claro que o poeta é você meu lindo.
Beijos

Eita, Poeta, você tá ficando cada vez melhor! Ai, queria ter uma voz assim, fala sério!!! Hahahahahaah...

Gostei dos versos rasgados de erotismo ... queria ouvir essa voz!..meu beijo

ah... vc sabe me deixar sem jeito.

:*

Posta un commento