« Domestico | Lucy » | Quando a vejo é como uma orquídea Leve e jeitosa, ... » | Niver » | Puskas » | Desejos e delírios » | Fichas » | Quando eu vir dali » | Espelhos » | Lágrimas » | A Voz »

Salto


A primeira vez era só som
E antes disso o cheiro
Que atravessava o espaço
Entre as ondas eletromagnéticas
Provocando confusões no coração

E eu quieto a dormir,
Sono de criança
Acompanhado pelos anjos
E sussurrado no cérebro:
Notas de Stravinsky

Mas eu voei no balão mágico
Sentindo o vento no rosto
Enquanto segurava tua mão
E nos jogávamos de lá
Voávamos sem asas
Corpos em êxtase
Banhados por pó de fadas...

nossa... que trem doido e lindo...
parece que senti tudo!
eita inspiração, hein???

Muito mais a ver com a ilustração do que com o poema: sabe que tenho muita vontade de voar em um balão? Caraca, acho lindo isso.

Mas o poema tá lindo mesmo, bem do jeito que eu gosto.

Ôpa!
Primeira vez por aqui...

Admiro que gosta de Stravinsky. E Balão Mágico me levou lá pros idos 80 e nada... hehehe.

Abraços!

Muito bão.
Deu pra viajar nessas palavras.

ou esse é sobre infancia ou é sobre sexo (de novo)

Olá Glorioso Poeta Matemático, seu blog tem um nome mto chamativo, foi o que me trouxe aqui, sou formada em Matemática e vc de onde vem este fascino?
Abraços, THA das Desassistidas!

ah, adorei!
sonhos malucos...

beijos

=D

Posta un commento