« Domestico | Reveillon - Parte I » | Noite Punk » | Parte II - Assim Dizem os Generais... » | Aos Que Se Expõem » | Tardes Cariocas » | Moral » | Inferno.. » | Parte I (Finalizada) » | Uma Licença Prosaica Num Blog Poético » | Chuva de Ópio »

Reveillon - Parte II

Esta é a Parte II. Para compreeensão, é preciso ler a Parte I



– Antes de mais nada, eu preciso saber exatamente o que você andou fazendo nos últimos dez anos – disse o mestre.
– Nos últimos dez anos... – após uma pequena pausa ele continua – creio que o senhor já saiba de tudo, estive contigo na Ordem do Guerreiro até os 14 anos, depois um período na Ordem do Dragão, onde aprendi muito e, como você, criei minha própria ordem, a dos Anarquistas.
– Na verdade eu sei de muito mais. Sei do verdadeiro motivo de você e aquela menina entrarem para a Ordem do Dragão. A Luxúria é um caminho tortuoso, aprendiz.
– O objetivo não era a Luxúria, o senhor bem sabe. A Cópula é uma grande concentração de energia e uma síntese das trocas que comandam o desenvolvimento do universo. O estudo da Tranqüilidade é um requisito importante para o desenvolvimento da consciência. Eu e P. estávamos num período de intenso aprendizado.
– Aprendizado que quase lhe matou e a P., algumas vezes...
– Eu hoje compreendo isso melhor, mas não me arrependo. Eu tinha apenas quinze anos. Como o senhor queria que eu me portasse?
– Entendo rapaz, entendo. E os gêmeos, será que entendem? Eles deveriam viver com o pai, sob sua proteção, não fugidos pela Europa, como cães.
– Eu acredito que tudo isso tem um grande propósito. A profecia diz que...
– Não ouse tocar na profecia agora, não é o momento ­– diz o mestre com grande irritação.
Assustado, o discípulo calou-se.
– Sei que você a procurou por todo o Brasil e depois pela Europa. Colocou seus soldados atrás dela por anos.
– E ela soube exatamente como fugir...
– Sim, mas seu aprendizado deixou muitas conseqüências. Você exala uma força potencialmente erótica, que interfere diretamente nas suas decisões. Essa é uma fraqueza que precisa ser controlada...
– Sim, mestre.
O mestre calou-se por um instante. Logo após, disse serenamente:
– Pois bem, mas acredito muito em seu valor. Você é um dos melhores oficiais da Ordem. Sei do seu excelente trabalho. A Ordem dos Anarquistas é uma das mais eficientes. Sei de suas intervenções no Iraque, Afeganistão, Sul da Ásia (onde fui crucial no atendimento das vítimas do Tsunami e do terremoto do Paquistão) e no Brasil. Ao contrário de quase todas as Ordens, você não segue exércitos ou governos. Vai aos cidadãos levando a vida. Você é diretamente responsável pela vida de mais de 100 mil seres humanos. Essa é uma grande dádiva e um grande serviço aos princípios da Ordem.
– A Ordem dos Anarquistas foi fundada justamente com esse intuito: despolitizar a Ordem e descentralizar as nações. Não desejamos a paz a todos os seres humanos? Então porque respeitar fronteiras nacionais? Os grandes mestres têm fracassado em seu trabalho de convencer os governos da necessidade da paz, e muitos tomam decisões em beneficio próprio, principalmente na Ordem do Dragão.
– Quantos soldados você comanda?
Um sorriso estampou o rosto do discípulo. Ele sabia que o mestre sabia a resposta de cada uma das perguntas, mas mesmo assim as fazia. Deveria haver um motivo oculto em tudo isso.
– Bem, eu não comando soldado, descentralizo ações e decisões. Apenas ajudo na coordenação mundial e auxilio na decisão de agir, assim como todos os “soldados”. Ao todo somos 12 mil homens, espalhados por 18 países da Ásia e América Latina, principalmente no Brasil e Índia.
– Seu carisma conquistou 12 mil pessoas no mundo. Você sabe o que isso significa? Talvez você seja um dos mais valorosos de nossos oficiais. Apenas estou preocupado com algumas coisas...
O olhar de preocupação do mestre deixou o discípulo assustado. Era esse o grande motivo da viagem?
– A Ordem do Dragão quer usar seu carisma a seu favor. Eles acreditam que você lhes deve isso, por causa do aprendizado com P. Querem que você comande as forças da Ordem no Haiti.
O discípulo ficou visivelmente surpreso com isso.
– Mas o general Urano Bacelar, da Ordem do Dragão, tem feito um excelente trabalho, apesar das limitações...
– Bacelar não tem muito tempo de vida.
Essa declaração deixou o discípulo atônito.
– Como assim? Vão matá-lo?
– Você sabe que a Ordem do Dragão não trabalha assim. Ele vai se matar. É questão de dias, talvez horas.
Silenciam-se os dois. Após isso, o discípulo diz:
– Não contava com isso. Não pretendia entrar no Haiti, nem comandar soldados como se fossem cães. Não sou general de exército regular. Como posso ser um comandante militar?
– Querem de você um papel estratégico, que entre nas guerrilhas e as destrua uma a uma, com os conhecimentos das técnicas do Sopro do Dragão e do Descanso do Monge. Querem que você mate os líderes das guerrilhas e estabeleça a paz. Em particular, querem que você seduza e mate a comandante (...), partidária de Aristide, usando seus métodos pouco convencionais.
– Eu não posso fazer isso – disse o discípulo, desesperado.
– Serão ordens do próprio presidente Lula. Ele sabe dos seus esforços pela paz. Ele foi convencido pelos ministros (...), (...) e pelo general (...) de que ninguém mais pode conseguir uma paz rápida e duradoura no Haiti. Ele conta com você para evitar mais mortes.
– Seria uma traição aos princípios da Ordem dos Anarquistas. Meus amigos não me perdoariam – as lágrimas caíam dos olhos do discípulo.
– Eu não queria ir pra Europa na II Guerra. Fui obrigado por Vargas. Fiz muitas coisas que não queria fazer. Espero que Prestes tenha me perdoado pelo que fui obrigado a fazer com Olga. Estava convencido que, naquelas circunstâncias, a paz não seria alcançada de outra forma. Eu tive a chance de matar Hitler em 1939, quando tinha a sua idade, mas não o fiz. Seis milhões morreram por causa de minha fraqueza. Seu país está em guerra pela paz, embora não apareça no Jornal Nacional, pense nisso.
O discípulo silenciou-se. Depois de uma longa reflexão, ele disse:
– Estou preocupado com outra coisa. Um pensamento nefasto acabou de me passar pela cabeça. – parou, olhou para o mestre e disse com firmeza – A profecia está para cumprir-se. A Ordem do Dragão quer evitar isso a todo custo.
– De novo a profecia. Você não percebe que...
– Desculpe mestre, mas acho que é o senhor que não percebe...

Continua...

Quando eu escrevi essa parada eu achei que tava horrível. Agora, relendo, eu tenho certeza...

Mandei mal. A parada tá absurda pacas. Acho que não vai ter parte III, decido depois.

Bem, desculpem pela longa leitura...

Poeta, meu querido... vou ter que ler tudo de novo! Caraca! Muita informação pra um domingo depois do almoço. Mas, tô sentindo que, mesmo lendo uma segunda vez, vou precisar de suas explicações adicionais.

MANO, eu estou ADORANDOOOOOOO, adorando, adoro sociedades secretas.

Olha, cara... Eu acho que tá bem interessante, sim!
Tá! Tem alguns pontos um pouco falhos, como vc mesmo diz... Mas, no geral, tá excelente!
Acho que deveria continuar, sim! A "parte III" seria uma boa oportunidade pra acertar o que vc acha que falhou!

Sei que vc até pode se sentir meio ofendido, mas, vc andou lendo "O Código DaVinci" é??? Nada a ver, pq o seu texto ainda está mais fundamentado. Demorei pra comentar porque ninguém me deixa em paz nessa agência, e um texto longo assim precisa de um mínimo de concentração para ser compreendido.

Ah... continua sim, vai, eu tô adorandooooooo!!!!!

Ulisses eu partilho contigo a opiniao. Nao sei o que falar para te ajudar mas ta horrivel seu texto. Porem tenho gostado muito das poesias apesar de nao ter postado nada nelas!!! Abraçao. Gosto da sua escrita.

Ps.: Refiro-me a esse texto acima

Looking for information and found it at this great site... »

Posta un commento